Entenda o índice IPCA e a inflação acumulada atual

Tempo de leitura: 5 minutos

Ainda que você esteja apenas começando a se preocupar com suas finanças, se alguma vez prestou atenção no noticiário, é provável que tenha ouvido falar sobre questões como o índice IPCA e a inflação.

Só ter ouvido falar, porém, não basta para você que decidiu cuidar bem de seu dinheiro. Por essa razão, preparei este post especialmente para que você finalmente entenda esses termos, seus significados e relevância. Vamos lá?

O que é a o IPCA?

IPCA é sigla para Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. Esse índice funciona como uma espécie de termômetro para a inflação e para a deflação, sendo o marcador oficial usado pelo Banco Central (BC) para a política monetária nacional.

O IPCA é medido mensalmente pelo IBGE ― Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ― com a finalidade de identificar a variação de preços de bens e serviços que são comercializados.

Com isso, um aumento da inflação corresponde a um aumento do IPCA e vice-versa. Mais do que termos técnicos, estamos falando de algo que pode ser facilmente percebido no dia a dia, se você tem o hábito de dar atenção às suas finanças.

Ser a pessoa responsável pelas compras de supermercado da casa é uma das formas mais simples de perceber a inflação e a variação no IPCA. Isso porque, tratam-se de fatores que têm impacto direto no nosso poder de compra, o que é sentido quando percebemos a alta (ou a baixa) no preço de produtos.

Ainda, o índice também influencia a rentabilidade de alguns investimentos, o que o torna ainda mais relevante para você que chegou ao Cuide de Sua Bolsa em busca de dicas para fazer seu dinheiro render mais.

Entenda para quê e como o IPCA afeta você

É importante entender qual é a utilidade do IPCA porque trata-se de um índice que nos impacta diretamente. Suas compras habituais podem encarecer em razão da inflação, assim como seu aluguel pode ser reajustado com base no IPCA.

Entre 1980 e 1990, o Brasil passou por um período de hiperinflação que fazia a variação do índice, da inflação e dos preços ser bem mais perceptível e impactante do que atualmente. O valor de um produto mudava de um dia para o outro e, às vezes, sofria variações até no mesmo dia.

Hoje em dia, a situação está bem mais tranquila, mas o IPCA não deixa de ser importante e de merecer a sua atenção. Para que você entenda melhor isso, precisa saber que o índice é usado pelo BC ― em parceria com o Conselho Monetário Nacional ― para analisar se o custo de vida no país está aumentando.

Isso porque, caso a inflação fuja daquilo o que foi planejado, medidas e políticas monetárias se fazem necessárias para ajustar o cenário econômico do país. Assim, o IPCA também serve para saber se o governo está ou não sendo capaz de cumprir as metas estipuladas para cada ano.

Além do mais, o IPCA pode ser o índice atrelado a alguns rendimentos, como é o caso do Tesouro Direto. Assim, a depender de como está o índice, seu dinheiro pode “crescer” mais ou menos a partir da compra de um ou mais títulos do Tesouro.

Investimentos como a LCA ― Letra de Crédito do Agronegócio ― e a LCI ― Letra de Crédito Imobiliário ― também pode ser atrelados ao IPCA, o que demanda atenção de quem escolhe esses produtos.

Como o IPCA é calculado

Se você vai ao supermercado, provavelmente está habituada a notar a variação de preço dos produtos que mais consome. Já imaginou o trabalho de considerar um número maior de bens? Há ainda outros segmentos do comércio e, claro, o setor de serviços que também entra na análise do IPCA.

O IBGE considera o custo de vida para famílias com renda entre um e 40 salários mínimos, tendo em vista uma “cesta” de produtos e serviços que consumidos por pessoas com essa faixa de renda.Algumas localidades são determinadas para a coleta de dados, sendo que cada uma tem um peso diferente para a análise. Veja os pesos atribuídos pelo IBGE para 2020:

São Paulo ― 32,32%;
Belo Horizonte ― 9,74%;
Rio de Janeiro ― 9,41%;
Porto Alegre ― 8,59%;
Curitiba ― 8,05%;
Salvador ― 5,99%;
Goiânia ― 4,16%;
Brasília ― 4,09%;
Recife ― 3,93%;
Belém ― 3,91%;
Fortaleza ― 3,22%;
Vitória ― 1,86%;
São Luís ― 1,62%;
Campo Grande ― 1,51%;
Aracaju ― 1,02%;
Rio Branco ― 0,51%.

Além disso, grupos de produtos ou serviços são elencados como componentes do IPCA. Desde janeiro de 2020, o grupo de Transportes (20%) é o mais “pesado” do índice, ultrapassando o grupo de Alimentação e Bebidas (+- 19%).

Assim, entre os dias 1° e 30 ou 31 de cada mês, é feita a coleta de dados em estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços e em concessionárias de serviços públicos. Ainda, é feita a verificação de preços de condomínios e de aluguéis.

Aumentos significativos nos grupos de Transportes e Alimentação, por exemplo, jogam a inflação ― e o IPCA ― para cima, porque são os que têm maior peso para o cálculo.

Entender, passo a passo, a matemática por trás desse cálculo pode não ser tão útil a nós aqui. Por isso, espero ter conseguido apresentar os fatores envolvidos de forma que você entenda quais variações são mais impactantes para a economia nacional e familiar.

Além do mais, espero que tenha compreendido o que é o IPCA e por qual motivo ou como esse índice afeta as nossas vidas.

Ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário neste post!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *