Circuit breaker: entenda o que é e como funciona no Brasil

Tempo de leitura: 5 minutos

Se você chegou até o Cuide de Sua Bolsa é porque está querendo aprender mais sobre finanças. Diante desse objetivo, você desanima quando se depara com termos como circuit breaker?

Como é comum também em outras áreas, a área das finanças se apropria de termos em língua estrangeira e isso, por si só, pode ser um desafio. Como se não bastasse, ainda há siglas e situações que parecem complicadas demais para quem ainda está aprendendo sobre o assunto.

Bora quebrar essa barreira entendendo o que é e como funciona o circuit breaker no Brasil?

O que é Circuit Breaker?

O circuit breaker é a interrupção ou paralisação dos negócios na Bolsa de Valores. Um mecanismo adotado quando o principal índice da Bolsa cai para além de um determinado limite.

Isso porque se a queda ultrapassa esse limite, os investidores podem, literalmente, entrar em pânico porque a situação pode levar a perdas significativas de dinheiro.

Em português, circuit breaker significa disjuntor que, por definição, é um dispositivo que funciona como um interruptor automático capaz de desligar o fornecimento de energia a uma instalação elétrica para protegê-la de possíveis danos.

Com isso, fica fácil entender que o circuit breaker é um mecanismo de proteção da Bolsa de Valores e de seus investidores, certo? A paralisação, além de frear as vendas de ações, contribui para que os investidores elaborem estratégias melhores de como agir para defender seus interesses (e seu dinheiro).

Como funciona o Circuit Breaker no Brasil?

No Brasil, o circuit breaker acontece para paralisar as negociações na B3, a Bolsa de Valores oficial do Brasil cujo principal índice é o Ibovespa.

A Bolsa funciona como um mercado em que investidores estão, a todo momento, comprando e vendendo ações. Se algo faz o valor de uma ação cair, parte dos investidores tentam vender as que possuem para evitar prejuízos. Se muitos investidores adotam essa estratégia, o Ibovespa pode despencar.

Sendo assim, o circuit breaker pode ser acionado para tentar trazer a ordem de volta para a Bolsa de Valores, ou seja, para tentar reequilibrar o mercado e as compras e vendas de ações.

Um exemplo simples para facilitar o entendimento

Imagine que você tenha ações da empresa Legal X na Bolsa e tudo está indo bem, com variações normais. De repente, algo ameaça impactar o valor de suas ações ― pode ser um fator relacionado à economia do país, um negócio mal feito pela empresa ou até uma pandemia, por exemplo.

Diante dessa situação, é natural que você considere tentar vender logo suas ações da Legal X para não ter prejuízo. Muitas das vezes, quem adota essa estratégias são investidores pequenos e inexperientes ou investidores grandes que têm muito a perder.

Então, se vários investidores pequenos ou até mesmo os grandões decidirem vender suas ações da Legal X, a situação pode perder o equilíbrio esperado. Quem investe na Bolsa de Valores sabe dos riscos reais de perder dinheiro, ainda assim, ninguém deseja lidar com um fator que, de repente, muda tudo e faz todo mundo perder o dinheiro investido.

Para tentar evitar uma situação como essa, existe o circuit breaker.

Regras do Circuit Breaker

Caso necessário, para minimizar impactos e evitar o pânico, o disjuntor pode cair, ou seja, um circuit breaker pode acontecer em três situações:

  • se as quedas no Ibovespa atingirem 10 % em relação ao fechamento do dia anterior. Neste caso, as negociações na Bolsa são suspensas por 30 minutos;
  • Se, após o retorno das negociações, as perdas chegarem a 15% em relação ao fechamento do dia anterior. Caso isso aconteça, a interrupção é de uma hora;
  • Se, após as duas interrupções anteriores, as quedas seguirem e atingirem 20% em relação ao fechamento do dia anterior. Neste caso, a B3 tem autonomia para decidir quando as negociações serão retomadas.

Entenda que diversas questões podem influenciar a queda ou a alta da Bolsa e as variações são normais e aceitáveis até determinado limite: aquele que aciona o primeiro dos três circuit breakers.

Ainda, vale saber que o circuit breaker não pode ser ativado na última meia hora do pregão da Bolsa de Valores.

Último acionamento do Circuit Breaker

O último circuit breaker foi no Brasil aconteceu em março de 2020, por uma combinação de fatores. À época, os investidores já se preocupavam com os impactos da pandemia do coronavírus na economia e nas Bolsas do mundo.

No início, de março, essa “tensão” se agravou com a queda do preço do petróleo que aconteceu em razão de um desacordo entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e a Rússia.

Nos dias 9, 10, 11 e 16 de março o circuit breaker foi acionado, tendo ainda outros fatores motivadores. Os sucessivos circuit breakers trouxeram o assunto à tona, servindo ainda para lembrar que é preciso estratégia para investir. Pensar a longo prazo e evitar o pânico e as decisões apressadas.

Antes disso, o mecanismo já tinha sido acionado 18 vezes no Brasil, sendo a maioria delas em razão de fatores externos à nossa própria economia.

Gostou do post e considera investir na Bolsa? Saiba qual é a corretora de investimentos ideal!

Quer receber mais conteúdo sobre Finanças? Se inscreva no Clube da Bolsa e receba a Newsletter semanal do Cuide!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *